in

De saída, Petros revela bastidores do São Paulo: ‘jogadores nem se cumprimentavam’

Publicidade

A última quarta-feira no CT da Barra Funda foi marcada pela despedida de Petros. O jogador que era usado por Diego Aguirre em muitas ocasiões acertou seu contrato com o time Al Nassr, da Arábia Saudita, e não veste mais a camisa do tricolor neste ano.

Petros foi um dos destaques do time em 2017 e ajudou Hernanes a salvar o tricolor do rebaixamento. De saída do clube, o volante revelou algumas coisas dos bastidores do São Paulo e deve ter deixado muita gente surpresa.

Minha postura nesse clube sempre foi a melhor e sempre fui um cara agregador. Para se ter noção, no meu primeiro dia no São Paulo, os jogadores não se cumprimentavam, não existia bom dia e clima positivo no vestiário. Hoje, se deixarem, a gente nem treina, de tão boa que é a resenha e o clima. É assim que se constrói uma equipe vencedora”, comentou sobre como estava o clima no vestiário em 2017.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O jogador chegou ano passado no São Paulo e foi um dos líderes no momento mais difícil do clube na história. O tricolor paulista nunca foi rebaixado para a Série B e ficou próximo de viver este drama na última temporada. Petros atuava no Bétis, da Espanha, quando decidiu voltar ao mercado de futebol brasileiro.

Embora esteja indo para um novo desafio, o volante deixa claro que deixa o Morumbi com sensação de dever cumprido. Líder nato, ele acha que o time está em boas mãos com Nenê, Diego Souza e companhia.

O São Paulo está muito bem servido de lideranças. O clube viveu uma década complicadíssima, mas hoje conta com pessoas humildes para servir bem nesse quesito. Dentro de campo, no elenco, a gente tem o Nene, Diego Souza, Sidão, Rodrigo (Caio) desempenhando essa função de líder”, ressaltou.

Publicidade
Publicidade