Gay tenta salvar vida doando sangue, mas é proibido por gostar de homens: ‘Triste’

Um fato curioso aconteceu na manhã desta terça-feira, 26 de julho, em Patos de Minas, interior de Minas Gerais. Um jovem procurou a redação do site de notícias local Patos Hoje para relatar que foi impossibilitado de doar sangue no Hemocentro da cidade, por causa da sua opção sexual.

Constrangido e triste, por não poder ajudar a salvar vidas, ele relatou que é doador de sangue desde 2011, mas esta foi a primeira vez que isso aconteceu. Tudo teria acontecido durante uma entrevista que é realizada antes do procedimento e doação. “Eu não doei sangue porque eu fui sincero. Me perguntaram se eu tinha alguma doença e eu disse que não. Perguntaram se eu tive relacionamento sexual há menos de 12 meses eu disse que sim e logo em seguida me perguntaram se foi com homem ou mulher”.

O que chama a atenção neste caso é o fato de que nenhum tipo de exame foi realizado para diagnosticar alguma doença que o impossibilite de doar sangue e mesmo assim foi considerado inapto ainda na entrevista.

“Quando eu falei que era com Homem, de prontidão a enfermeira já me descartou e disse que eu não estou apto para doar porque eu tive um relacionamento homo afetivo. Isso sem nem fazer um exame sequer para comprovar se eu sou ou não doente. Dentre todas as pessoas que estavam ali, eu fui o único a ir embora sem doar sangue. Se eu tivesse dito que me relaciono com mulheres eu poderia doar sem nenhum problema e isso para mim é um ato triste e discriminatório”.

Ele ainda conta que é doador há vários anos e que antes lhe foi entregue uma cartilha que ele leu e não identificou nenhum problema que o impossibilitasse de doar. “Eu sou doador de sangue desde 2011. Sempre doei e nunca tive problemas como esse. Agora eu tive que assinar um documento dizendo que eu sou inapto de doar sangue e preciso ficar um ano sem doar.  Onde já se viu isso? Algumas pessoas acham que não, mas o preconceito está em todos os lugares, até onde as pessoas vão para salvar a vida de outras”, lamentou.

Regras da Anvisa e do Ministério da Saúde estabelecem restrições para a doação de sangue por homens homossexuais

A proibição da doação de sangue por homens gays começou na década de 1980, quando foram verificados os primeiros casos clínicos de AIDS e os homossexuais foram enquadrados no chamado “grupo de risco”. No Brasil, contudo, a vedação formal veio em 1993, com a publicação da portaria 1276 daquele ano do Ministério da Saúde. Em 2002, a Anvisa alterou a proibição permanente pela “temporária”, dos 12 meses da última relação sexual com outro homem. 

Leia Também