in

Humilhada até a morte: perícia revela horror sofrido pela menina Vitória Gabrielly e detalhe choca

Publicidade

O assassinato da adolescente Vitória Gabrielly, de 12 anos, na cidade de Araçariguama, interior de São Paulo, segue envolto em mistério e até agora não se sabe, definitivamente, quem cometeu este crime que chocou todo o Brasil.

Vitória desapareceu no dia 8 de junho e seu corpo foi encontrado oito dias depois, no sábado (16). Desde então, a polícia acelerou as investigações para chegar aos assassinos – a principal hipótese é que tenham sido duas pessoas.

Nesta segunda, o portal de notícias G1 deu detalhes sobre o laudo do Instituto Médico Legal sobre a morte da adolescente Vitória Gabrielly deve indicar que ela foi asfixiada após receber um golpe conhecido como "mata-leão". Segundo informações obtidas pela TV Globo, o laudo do IML indica que ela morreu por asfixia mecânica com constrição cervical.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Ritual de humilhação na menina Vitória Gabrielly choca a polícia. 

O corpo estava com estado de decomposição. A principal linha de investigação é que seria por vingança e por engano, já que teria outra menina chamada Vitória com irmão dependente químico.

Vitória Gabrielly foi encontrada morta no dia 16 de junho em uma área de mata, às margens de uma estrada de terra no bairro Caxambu, em Araçariguama. A garota estava desaparecida havia oito dias, quando saiu para andar de patins e não foi mais vista.

Laudo sobre a morte da adolescente Vitória Gabrielly deve indicar que ela foi asfixiada

A menina tinha uma meia na boca, o que indica a versão. Segundo as investigações, o corpo de Vitória estava amarrado a uma árvore. Uma pessoa cortou as cordas antes da polícia chegar. A adolescente tinha marcas nos tornozelos e nos punhos e não tinha sinais de estrangulamento nem de abuso sexual.

As buscas mobilizaram moradores de Araçariguama e cidades vizinhas. Equipes das polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal e Comando de Operações Especiais (COE) percorreram áreas de mata até a Represa de Itupararanga.

Publicidade
Publicidade