in

Grávida de 41 semanas se recusa a ir ao médico ‘poderiam ter feito um aborto’

Publicidade

Uma mulher que estava grávida de 41 semanas se recusou a ir às consultas de rotina por um motivo inacreditável. Quando ela resolveu ir ao hospital se chocou com o que descobriu de seu bebê. O caso ocorreu em um hospital de Barnaul, na Sibéria Ocidental.

A moça estava pronta para dar a luz e até aquele momento não havia consultado nenhum médico para acompanhar a gestação. Ela informou que não confiava nos serviços de saúde, por isso não realizou nenhum exame de rotina. Porém, quando viu que o nascimento da criança estava próximo ela resolveu pedir ajuda profissional.

Ao chegar nos hospital os médicos ficaram em choque. O bebê não estava no útero, mas na cavidade abdominal. Esse tipo de gestação é chamada de gravidez ectópica, onde o óvulo é fertilizado em outra parte do corpo, como nas trompas, ao invés do útero, sendo uma condição muito rara.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Uma gestação desse tipo oferece um risco muito grande para a mãe, e dificilmente o bebê sobrevive. Assim que os médicos viram que a gravidez dessa jovem corria esse risco iniciaram uma cirurgia para retirada da criança da cavidade abdominal.

De acordo com a literatura médica, há registros de apenas doze casos onde mãe e filhos sobreviveram a uma cirurgia como essa. O motivo do risco maior é que ao retirar a placenta a mãe pode morrer devido a hemorragia.

A cirurgia durou duas horas e os médicos ficaram surpresos por encontrar o bebê respirando. Era uma menina saudável de 4 quilos. A mãe sobreviveu e decidiu colocar o nome de Verônica na filha, que significa mulher vitoriosa.

Depois disso, a mãe passou a confiar mais nos médicos, pois eles salvaram ela e sua filha. Porém, se ela tivesse ido fazer o pré-natal durante a gestação talvez eles indicariam um aborto, por causa do risco que esse tipo de gravidez oferece. A mãe considera então que, nesse caso, foi bom não ter feito o pré-natal.

Publicidade
Publicidade