BrasilNOTÍCIAS

Veja como ter acesso gratuito em eventos culturais

A realidade de vida da maioria dos brasileiros não permite o acesso à cultura. Segundo dados levantados pelo SESC (Serviço Social do Comércio), em parceria com a Fundação Perseu Abramo o motivo está vinculado ao orçamento curto ou mesmo a falta de incentivo da população de baixa renda aos espaços culturais e à sua pratica.

Com o objetivo de mudar essa estatística que o projeto “Eu Faço Cultura” capta recursos de pessoas físicas via Lei Rouanet do país, de parte do IR dos empregados da CAIXA e das empresas parceiras (Caixa Seguradora e Par Corretora)  e distribui gratuitamente milhares de benefícios culturais (ingressos, livros, DVDs, etc.) para população carente, por meio de uma plataforma que apresenta uma proposta inovadora: promover uma verdadeira conexão entre produtores e consumidores de cultura, beneficiando ambos os públicos.

Como funciona o projeto Eu Faço Cultura?

O pequeno e médio produtor cultural, registrado como pessoa física ou microempreendedores individuais (MEI), pode divulgar seus trabalhos e assegurar a compra de seus produtos e ingressos através do projeto pela plataforma digital. Basta realizar o cadastro no site (www.eufacocultura.com.br) que funciona de forma simples, rápida, prática e sem burocracia, informando os seguintes dados: pessoais, da empresa, currículo, Contrato Social e Certidão Negativa de Débitos.

Beneficiários do projeto Eu Faço Cultura

Terão direito ao projeto os usuários de ONGs, programas sociais do governo e alunos de escolas públicas por meio dos cadastros de diretores.

Os beneficiários têm direito a 100% do valor do ingresso devendo, por meio do site, solicitar vouchers (impressos ou mobile) que serão trocados nos locais que ocorrerão os espetáculos, as apresentações, cinemas ou vendas de artigos culturais. No caso de CDs, DVDs e livros, o site indicará onde o usuário deve fazer a troca.

Já o produtor para divulgar seu trabalho deverá cadastrar um perfil no site, o produto que será ofertado (peças teatrais, apresentações de dança e circo, concertos e shows de música popular e erudita, exposições de arte ou até mesmo CDs, DVDs, livros, entre outros), informando a quantidade de ingressos ou produtos oferecidos à plataforma e o valor pelo qual irá vendê-los ao projeto.

O cadastro é gratuito e será submetido a uma curadoria que vai avaliar a sua pertinência, seu valor e quantidades oferecidas, sendo aprovado receberá após o evento o valor equivalente de retiradas pelo beneficiário do projeto.

O Eu Faço Cultura já arrecadou, em quase uma década de trabalho, mais de R$ 31 milhões, contemplando 200 cidades e beneficiando mais de 50 instituições.

História do projeto Eu Faço Cultura

Desde 2006, quando foi fundado, o projeto Eu Faço Cultura passou por mudanças a fim de atingir o maior número possível de beneficiados. Inicialmente, em formato de evento itinerante, com ações espalhadas por todo o país, o projeto consistiu na realização de semanas e dias culturais, com oficinas e shows de artistas locais e importantes nomes da MPB.

Só nos três primeiros anos de realização, o projeto atingiu mais de 240 mil pessoas, entre participantes de oficinas, espectadores de shows e alunos de escolas públicas, sobretudo entre os 10 e 12 anos.

A partir de 2012, com mudanças no texto da Lei Rouanet, o projeto passou a dar menor ênfase à música, e maior destaque a exibições de filmes ao ar livre, apresentações de teatro de rua e atrações circenses, além de oficinas. Todas as atividades eram oferecidas para comunidades carentes, em diversas cidades brasileiras. Em outubro de 2015, essa etapa do projeto se encerrou e os esforços foram concentrados na elaboração de uma plataforma online (www.eufacocultura.com.br), que facilitasse a conexão entre produtores e consumidores de produtos culturais, com o objetivo de impactar um público ainda maior.

Em quase uma década de trabalho, o projeto já arrecadou mais de R$ 31 milhões, contemplou 200 cidades, beneficiou mais de 50 instituições e impactou diretamente cerca de 600 mil pessoas em todo o país e, desde 2006, conta com mais de 25 mil doações.

Sobre o Eu Faço Cultura

Financiado com recursos do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF), o projeto Eu Faço Cultura é uma iniciativa da Federação Nacional das Associações de Empregados da CAIXA (FENAE) que, por meio do Movimento Cultural do Pessoal da CAIXA (MCPC), mobiliza os empregados da CAIXA.

 

Os colaboradores, empregados ativos e inativos da CAIXA, destinam até 6% do imposto devido, por meio da Lei Rouanet (Lei 8313/1991), para o financiamento dos produtos culturais distribuídos pelo Eu Faço Cultura. Com o MCPC, a média de participação de contribuintes do IRPF para a Lei passou de cerca de 3.500 para mais de 18 mil doações nos últimos anos. Desse total, mais de 80% são de empregados da Caixa Econômica Federal.

Leia Também

Marli Prado Ulprist

Jornalista, assessora de imprensa e sócia - diretora do 1 News Brasil, formada há mais de 10 anos em comunicação social com habilitação em jornalismo. Amo a minha profissão e escrever é o que mais gosto, é mais que um hobby, é muito amor envolvido em cada matéria. Para entrar em contato comigo mande um e-mail para marli@1news.com.br

ARTIGOS RELACIONADOS

error: Conteúdo Protegido!

AdBlock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios.